quarta-feira, 31 de março de 2010

O seu estilo

Um amigo confessa, entre cervejas e cigarros, que gosta mesmo é de som Indie. É a música nova de qualidade, diferente do que toca na rádio. Outra se orgulha em ser Indie. Se é Indie é bom.

Eu não sei o que é Indie.

Sei que a idéia de rotular tudo o que vem pela frente teve grande impulso nos últimos anos. Talvez porque hoje tudo é tão amplo, mas tão amplo, que é preciso criar diversos nichos e se enquadrar em um. Ai de quem está fora!

Isso, tenho certeza, não é a noção de um velho rabugento alheio a tudo de novo que a música apresenta. Pelo contrário. Gosto mesmo de Franz Ferdinand, Arctic Monkeys, Racounteurs, que são bandas novas. Meus amigos podem dizer se são ou não Indies.

Enquanto converto a discografia dos Beatles de “Flac” para Mp3, pensei o que aconteceria se essa idéia de criar estilos musicais imaginários existisse na época. Só a discografia dos Beatles teria uns três – pelo menos – estilos diferentes.

A Wikipedia tenta diminuir um pouco minha ignorância no assunto:

Indie é um estilo musical que caracteriza bandas que não são lançadas por grandes gravadoras, porém o grande sucesso de algum desses grupos lançaram-nos diretamente para gravadoras de grande porte

Esse conceito é tão frágil que coloca Axé, Pagode, Rock and Roll e todo o resto nesse estilo Indie. Ora, quem não começa pequeno e, fazendo sucesso, consegue uma grande gravadora?

Tudo bem, a Wilipedia que não inspira lá grande legitimidade, bradarão meus dois amigos e alguns outros – poucos – solidários. Procurando mais a respeito, Indie parece ser um som independente de interferências externas à banda (gravadora, empresários, produtores), que remete a algo criado anteriormente e que tem como preocupação plena e assumida seu próprio som, ou seja, tem o fim em si mesmo.

A independência de interferências não caracteriza nenhum estilo, mas sim a intenção consciente de uma banda em manter uma mesma linha. Além do mais, é quase impossível ter uma banda sem qualquer interferência. O que os fãs acham de sua música? Quais suas opiniões e idéias que mudaram com o impacto que sua música causou?

Remeter a um som já criado anteriormente não serve para definir um novo estilo. Primeiro, tudo o que se constrói é baseado em algo que já foi criado, já que é impossível criar algo alheio ao seu contexto histórico. E segundo que isso é natural que ocorra em determinados estilos. Quem quer tocar rock and roll hoje em dia não tem como fugir de certa identidade musical já criada.

Por fim, e tão frágil como os outros pontos, a preocupação exclusiva com o som deve ser buscada em todos os estilos.

Não é difícil perceber que a definição de Indie esvai-se tão rapidamente quanto seu surgimento. Várias bandas surgiram tocando música boa, que remetia a algo que já existia e preocuparam-se em rotular de algum jeito.

Tendo um nome, o resto vem fácil.

Os Indies, então, existindo, são aqueles que gostam de filmes de Almodóvar e usam All Star e camiseta listrada. Quase um Emo sem franja.

Frágil, não é?

Um movimento musical é algo que vai além de tudo o que foi dito até aqui. O Punk, o Rock and Roll, esses sim foram movimentos. Foi preciso unir uma corrente musical nascente com um ideal a ser levado adiante. Era preciso revolucionar, ou criticar, acabar com o sistema, apoiá-lo, ser contra a guerra. Não importa. Importa a substância sólida que acompanha um som e que, assim, forma um movimento. Então é possível rotular um som de “Punk” ou “Rock and Roll”. Mas não de “Indie”.

3 comentários:

Tainá disse...

Achei seu texto sensacional! Ri muito.
Ainda mais pensando que eu sou aquela que se orgulha em ser INdie.
Talvez você tenha entendido o verdadeiro significado, mas eu acho que não. Acho que INdie surge para ser aquilo diferente do clássico, a mistura de alguns movimentos já existentes, como o Rock'n'roll e o Eletrônico, o Folk e o Country e a mistura disso tudo. E eu gosto, sim, de rôtulos. Você ainda não me convenceu... rs!
Mas isso é assunto pra mesa de bar!

Menin@ disse...

"Quase um emo sem franja!" hahahahaha, muito boa! xD

Bem, como pedido, dei uma passadinha aqui. E gostei. :D

Tenha um bom feriado,
Abraço,

Caroline disse...

kkkkkk
adoro essa alucinante mania de rótulos! Eles são tão vazios e interessantes! (y)
a questão é que na verdade o movimento Indie não tem algo sólido para se apoiar... o problema é que grande parte dos adolescentes também não. E agora?
Que a música seja reflexo do momento histórico, concordo em absoluto.
Mas o movimento significa alguma coisa sim... é mais uma forma da juventude mandar um SOS. Estamos perdidos.